Problema com celular Sony Xperia E4 resolvido

No dia 20 de junho fiz uma postagem contando sobre o problema que tive com o atendimento da Sony em relação ao reparo de um celular que a...


No dia 20 de junho fiz uma postagem contando sobre o problema que tive com o atendimento da Sony em relação ao reparo de um celular que apresentou defeito dentro do prazo de garantia (se estiver com paciência para ler, clique aqui). No dia 23 de junho, depois, ao ver os comentários no Facebook o pessoal de midias sociais da marca entrou em contato comigo solicitando meus dados para que pudessem entrar em contato comigo. Passei os dados solicitados e no dia seguinte, 24 de junho, recebo o e-mail abaixo:



A essas alturas do campeonato, eu já não sabia se ria, se chorava ou se tinha um mini infarto. Respirei fundo, e com toda essa delicadeza de mula coiceira que Deus me deu, lá vou eu mais uma vez conversar com algum atendente do suporte.


O fato é que passei por 3 atendentes nesse dia e nenhuma delas soube me dizer como cargas d'água eu poderia ter recebido o aparelho, se ele havia retornado para a central de assistência técnica. Bom, pediram um novo prazo, eu esperei. Depois fiz novos contatos até que no dia 01º de julho um email interno foi enviado ao setor de remessas, que postou meu aparelho nos correios no dia 11 de julho.

No dia 12 de julho uma terça feira, recebi meu celular tão estragado como no dia 17 de maio quando o enviei para reparo. O laudo afirmava que eu havia perdido o direito à garantia devido ao fato de que o celular havia entrado em contato com água ou vapor de água e que o flex do display estava oxidado.

Respirei fundo mais uma vez e fui imprimindo todos os arquivos de atendimento que foram feitos pela Sony, prints de rastreamento, emails, tudo e uma semana depois, na terça feira 19 de julho, fui até o Procon de Uberaba.

Como eu havia recebido o laudo, para contestá-lo eu precisaria acionar a Sony juridicamente através do Juizado Especial Cível, pois o Procon não conta com técnicos para fazer a perícia. E ficaria aquela questão, a minha palavra contra a deles, por mais que eu não tenha deixado o aparelho em contato com líquidos, nem entrei na sauna com ele, o flex estava oxidado. Pode ter sido pelo simples hábito de levá-lo para o banheiro durante o banho, ou deixá-lo no armário da cozinha enquanto prepava minhas refeições, pode ser por alguma chuva torrencial que tomei. Se o meu aparelho tivesse sido devolvido no prazo certo, eu teria me conformado, e ido atrás de consertá-lo por meus próprios meios, assim com fiz quando  meu Lumia quebrou a tela. Assim como eu falei para a Mariana, que me atendeu no Procon, a questão era o abuso, a falta de respeito e consideração. Se eu não tivesse continuado insistindo e amolando, meu celular provavelmente estaria lá até hoje, basta ver o email que me mandaram.

Então foi feito via Procon, o contato com a empresa, questionando o não cumprimento do artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que preconiza que o fornecedor terá 30 dias para sanar o problema apresentado. Se o prazo passar e nada tiver sido acordado, o consumidor pode, então, escolher à sua escolha entre: a substituição do produto por outro em perfeitas condições de uso; a restituição imediata da quantia paga ou o abatimento proporcional do preço.

A empresa levou exatos 60 dias para devolver meu produto e me informar o motivo do não reparo. Diante da intermediação do Procon, a Sony me propôs a troca por um aparelho do mesmo modelo. Como eu já estava cansada dessa situação aceitei a oferta e eis que ontem, 25 de julho, recebi um novo aparelho Sony Xperia E4.

O aparelho novo e o antigo 


Disso tudo fica algumas lições:

• Informação é tudo na vida da gente. Quando comprar algum bem que espera-se que seja durável, busque todas as informações possíveis, antes e depois da aquisição. Guarde nota fiscal, contrato, certificado de compra, tudo.

• Se fizer contato com a empresa, anote todos os números de protocolo com data e assunto do contato. Fique atento aos prazos e em caso de dúvida, consulte o Procon. Se na sua cidade não houver unidade do Procon, entre em contato com a assessoria jurídica da Proteste, que eles podem orientar você sobre como proceder. O principal é não deixar as coisas por isso mesmo.

• Não leve seu aparelho para o banheiro quando for tomar banho. Vai que os materiais usados nele  se deteriorem só por estarem perto da umidade, do vapor do banho...

Resumo da ópera: graças à minha chatice persistência e à intervenção do Procon consegui resolver meu problema. Infelizmente o celular que recebi continua sendo um modelo sem a menor pretensão de suporte por parte da empresa, uma vez que ainda não há nenhuma previsão de atualização do software (ele roda o Android Kit Kat, sendo que após esta versão, outras duas versões do sistema já foram lançadas). Mas pelo menos eu tenho um aparelho que é meu, não é algo emprestado e que vai ter que aguentar até a Nokia lançar seus novos modelos de smartphone. Porque da Sony, eu não compro nunca mais.


***

Pode ser interessante para você

0 comentários

#ad

Flickr Images

Web Analytics