Habemus Negan - o final apoteótico e controverso da 6ª temporada de The Walking Dead

...:::::: ATENÇÃO::::::... Este post é uma enxurrada de spoilers sobre o episódio Last Day on Earth e sobre o futuro da série,  SE  c...



...:::::: ATENÇÃO::::::...

Este post é uma enxurrada de spoilers sobre o episódio Last Day on Earth e sobre o futuro da série, SE continuar a seguir a linha muito bem desenhada das HQs. Leia por sua conta e risco.





A season finale de The Walking Dead exibida na noite de 3 de abril trouxe um dos momentos mais aguardados pelos fãs da série em todo mundo: a chegada de Negan.

As tramas construídas ao longo dos últimos episódios, convergiram para um final tenso de temporada em que ainda temos que aprender a lidar com uma Carol confusa e vacilante; onde finalmente o Morgan conseguiu ser útil (já que agradável é pedir demais do caboclo) e onde o grupo de Rick foi habilmente atraído e reunido numa emboscada cruel. O episódio manteve o padrão de "uma ação leva a uma reação mais adiante" e que nenhuma dessas ações (boas ou nãos) segue impune.

Enquanto Daryl, Michonne, Rosita e Glenn já estavam sob o poder dos Salvadores, Rick, Carl, Abraham, Sasha, Aaron e Eugene tentavam levar Maggie até Hilltop para que esta pudesse receber atendimento médico. O grupo porém encontra todas as estradas possíveis bloqueadas por cercos nada dispostos a negociações. A confiança de Rick começa a ser abalada quando, num desses cercos, uma corrente de zumbis exibe pertences de seus companheiros. As mechas de cabelo de Michonne abalaram o policial.

Numa tentativa de fugir do cerco, Eugene se propõe a servir de isca, dirigindo o trailer enquanto os demais tentam alcançar Hilltop a pé, transportando Maggie em uma maca. A travessia pela mata escura, cortada até então apenas pela conversa entre eles, dá lugar a uma angustiante caminhada sob um assovio que revela o cerco final.



Então, finalmente nos vemos diante de Negan, numa reprodução arrepiante do vilão encontrado nos quadrinhos. As cenas que se seguem tem o sabor da familiaridade, do fan service muito aguardado e que justamente por isso, assumiu um sabor amargo demais para muita gente.



A cena do encontro do grupo de Rick com os salvadores e em especial com Negan foi épica. Não só ângulos e enquadramentos foram recriados, como também falas do personagem foram transcritas para a cena. Toda a angústia da situação que no papel é imersa em silêncio, ganhou contornos ainda mais dramáticos com os recursos de áudio utilizados. O triunfante sorriso de Negan contrastava com a expressão desesperada de Rick em atuações brilhantes de Jeffrey Dean Morgan e Andrew Lincoln.




Quem segue a trama nos quadrinhos sabe que o uni duni tê de Negan termina tranformando a cabeça de Glenn num purê indescritível. E essa cena foi 'roubada' do público, para sempre ou pelo menos até outubro, quando inicia a sétima temporada. Ao passar o ponto de vista da terceira pessoa para o de um dos personagens ajoelhados diante de Negan, a série cai em seu segundo suspense nessa sexta temporada deixando uma boa parte do público frustrada.

Quem morreu com os beijos de Lucille, o taco de beisebol caprichosamente envolto por arame farpado nas mãos de Negan?





O suspense ou clifffanger (um 'gancho') não é novidade nesta temporada de TWD. O mesmo recurso foi usado na mid season quando os fãs ficaram semanas discutindo se Glenn havia morrido ou não no ataque zumbi. A repetição do recurso foi classificada por muitos como desnecessária, covarde ou decepcionante.

Robert Kirckman, criador da saga, afirmou recentemente em um programa de televisão norte americano acreditar que toda a equipe da série reconhece esse como um icônico e grandioso momento dos quadrinhos. “Ninguém falou sobre não fazer algo parecido na série. É uma grande parte da introdução de Negan e nós queremos fazer justiça a ele. Mas reproduzir um momento tão conhecido como aquele talvez não seria visto como uma grande coisa se nós fizéssemos exatamente igual, porque as pessoas já estariam esperando por isso”.



Eu particularmente gostei do final. Entre a solução preguiçosa de dar o mesmo desfecho dos quadrinhos, ou surpreender (ou não) a todos com a morte de Daryl os roteiristas optaram por deixar a assistência em suspense até outubro. Matar Glenn seria dar curso ao crescimento de Maggie na série. Matar Daryl despertaria a fúria dos fãs. Vale lembrar que a essa altura do campeonato, nas HQs, Abraham já foi morto por Dwight. Matar Abraham, Eugene ou Aaron sim, seria uma solução covarde para o suspense. Michone, Maggie, Rosita e Sasha são mulheres, o que, diante de Negan dá alguma segurança. Rick e Carl até pelas falas de Negan, não serão os escolhidos. O encontro com o vilão aliás marca profundas transformações e mudanças de rumo para os Grimes. Independente da revolta do público, até aqui a escolha pelo suspense tem dado certo: a hashtag #TWDseasonfinale dominou a madrugada nos trending topics do Twitter.

O final da sexta temporada mostra que definitivamente, a troca de Glen Mazzara por Scott Gimple tirou a série de um caminho perdido e apático e a lançou no caminho certeiro da trama apresentada nas histórias em quadrinhos, ainda que com algumas diferenças. O novo showrunner trouxe a partir da quarta temporada os elementos necessários para que a série se mostre com fôlego para longos e prósperos anos.

A sétima temporada de The Walking Dead tem data de estreia prevista para 9 de outubro. Até lá, muita água vai passar por baixo da ponte que liga os salvadores à Alexandria.

***

Pode ser interessante para você

0 comentários

#ad

Flickr Images

Web Analytics