15 de fevereiro de 2006

Ser
a cada instante um abraço teu
Estar
constante no sabor da tua boca
Sentir
como se nada pudesse nos proibir
de ser
e estar um no outro
De adormecer na paz do teu corpo
Porque assim és
No infinitivo dos meus dias
Parte do meu eu
Tu que não és meu objeto
És meu verbo atemporal
Jessica

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.